Segunda-feira, 14 de Fevereiro de 2011

Possession (1981) Andrzej Zulawski

A mulher como mulher, amante, mãe e esposa. A mulher e a idealização de todas as suas facetas.

Possession é um filme duríssimo sobre tudo isto, que se explora por entre os caminhos do fantástico demente. Não se deixem enganar pelo titulo...não, não é uma mulher possuída mas sim uma mulher que tomou posse da sua vivência.

Isabelle Adjani interpreta o papel dessa mulher que se desvia pelo indefinido de forma a viver! "É nos prometida uma enorme estabilidade após uma enorme dor".

O novo, o incentivo à mudança, surge esculpido sobre a forma de larva humana que faz de carcaças alheias o seu casulo, e Adjani alimenta-o, cuida-o, ama-o, esquecendo o seu marido, filho e amante.

 

Tenho pena que o realizador polaco tenha criado tamanha realidade distorcida envolta na separação de um casal enquanto tratava do divórcio.

publicado por Diogo às 20:59
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Segunda-feira, 17 de Janeiro de 2011

Rosemary's Baby (1968) Roman Polanski

Muito mais que um mero suspense, Rosemary's Baby deve todo o seu valor, não a uma história envolvente mas sim a uma belissima realização por parte de Polanski, e a um conjunto de inspiradas interpretações.

Nós conhecemos Rosemary, o seu marido e o casal vizinho estranhamente amistoso. Rapidamente nos identificamos com a protagonista, durante o período de gravidez. As suas dúvidas, os seus medos, tudo nos parece compreensível. Mas com o decorrer do filme o fio condutor parece-nos frágil, já não sabemos se devemos ver o redor segundo Rosemary, ou encara-lo como um estado de demência pelos olhos do seu marido Guy. O mais impressionante é que sem nunca perder fulgor, a obra não depende toda a sua qualidade no seu desfecho, ao contrário de muitas tentativas falhadas dentro do género.

O final não se assume como um choque momentâneo, a meio do filme tudo que há para saber, à partida já foi contado, pouco mais se desvenda e nós próprio traçamos as nossas suposições, e mesmo que elas não estejam de acordo com o que irá acontecer, no final tudo se irá desenvolver sobre a forma de um horrífico e inevitável desfecho.

publicado por Diogo às 11:25
link do post | comentar | favorito
Domingo, 16 de Janeiro de 2011

Il Gattopardo (1963) Luchino Visconti

Aquela cena final da gala, é provavelmente das melhores coisas que eu já alguma vez vi num filme.

A obra é toda ela uma dança ao som da música do tempo. Nem a música nem os passos de dança mudam, simplesmente troca-se de parceiro.

Nunca um confronto de eras foi tão bem retratado como em O Leopardo. A eximia execução de Visconti consegue com que o tema do seu final, se prolonge fora dos limites italianos, pois o que nós vamos não é a queda moral de um país, mas sim do homem em si.

A direcção do mestre italiano evidencia uma terna nostalgia e apreço pelo seu passado em conflito com uma náusea repudiosa em relação a decadência geracional.

Uma obra-prima!

 

publicado por Diogo às 16:25
link do post | comentar | favorito
Sábado, 15 de Janeiro de 2011

L'Avventura (1960) Michelangelo Antonioni

Ao contrário de Fellini que com uma explosão de emoções aborda todos os seus tópicos do sentimento do homem, Antonioni, sobriamente e vagarosamente "dilui" a frustração e a busca pelo amor.

Um titulo irónico, cheio de promessas de futuro dinamismo, só que... o filme "simplesmente passeia". Mas a verdade é que nós não estamos a ver um filme, estamos a ver o homem! Belíssimo

publicado por Diogo às 16:40
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 14 de Janeiro de 2011

Du Levande (2007) Roy Andersson

Du Levande é a primeira obra estriada em Portugal em 2011, que eu tive a oportunidade de ver (não nas salas de cinema) e é um belíssimo filme.

Cada história é um só enquadramento, dando ao filme um aspecto estrutural episódico, mais precisamente uma colecção de sketchs cómicos. Com traços semelhantes a Kusturica e sobretudo Fellini, Andersson desenvolve esta sua exploração sobre a ansiedade, a alegria e o desespero do homem. Um filme sobre ele, um filme sobre nós!

Os intérpretes em questão, têm todos ele um fina cama branca que lhes cobre a cara, dando um aspecto espectral de morto-vivo, como se estes vagueassem fazendo do seu corpo a sua carcaça; o desespero do homem e parece-nos tudo tão absurdo neste novo universo, mas...sentimos esse absurdo, da mesma forma que ficamos perplexos com as peripécias que a vida nos reserva.

Mas o de mais fascinante nesta obra, é o espectador conseguir sentir uma leveza de alma, depois de ver quase 90 minutos de pura tragédia pessoal! Roy Andersson acredita que a salvação está no ridículo, e nós por momentos também...

publicado por Diogo às 14:51
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quarta-feira, 12 de Janeiro de 2011

Onde Jaz o Teu Sorriso? (2001) Pedro Costa

"Era uma vez, um pequeno cineasta. Ainda não era bem cineasta e já era ameaçador. Pequeno e já era ameaçador? Pequeno e já cineasta. Ainda é só um cineasta que ameaça mas já suficientemente cineasta para terem sentido para sentirem para lhe terem feito sentir, para lhe fazerem sentir que é que era ameaçador, com o seu cinematógrafo. Que o seu cinematógrafo é ameaçador, que ele ameaçava, que ele ameaça o cinema, com o seu cinematógrafo por causa do seu cinematógrafo. Que o cinematógrafo ameaça o cinema. Cineasta para que se saiba que o seu cinematógrafo ameaça o cinema. Que o seu cinematógrafo seja ameaçador, seja uma ameaça."

Um exercício de estudo sobre o mecanismo e o perfeccionismo por detrás da rodagem. Segundo Godard a melhor obra sobre cinema de sempre. O filme não teria o mesmo ritmo ou charme, se não tivesse as "interpretações" latentes do espirituoso Danièle Hullet e da austera Jean-Marie Straub.

publicado por Diogo às 14:51
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Terça-feira, 11 de Janeiro de 2011

La Strada (1954) Federico Fellini

Da esperança à frustração, do egoísmo ao altruísmo, do despertar da vida ao repousar da morte! Esta saga humana assume-se como um aglomerado de todas as emoções sentidas no decorrer da vida.

Como Fellini outrora referiu: "O Neo-Realismo não devia retratar simplesmente a realidade social, mas também a realidade espiritual, a realidade metafísica, em suma tudo aquilo que existe no interior do homem".

Com duas interpretações magnificas (Anthony Quinn e Giulietta Masina) e uma metáfora de pernas e braços sobre a ironia da vida (Richard Basehart), Fellini cria um icónico e alegórico triângulo que personifica sucintamente e com uma grande eficácia, o homem, o seu sonho e o seu amor.

Uma caminhada trágica, que apesar de tocante revela-se inspirativa. A obra que deu inicio a todos os trejeitos fellinianos.

publicado por Diogo às 14:38
link do post | comentar | favorito
Domingo, 9 de Janeiro de 2011

Nostalghia (1983) Andrey Tarkovskiy

E com Nostalghia, vejo me de volta às obras do realizador que mais me assombra, Andrey Tarkovskiy.

Este filme de 1983, é a meu ver a menor obra (dentro dos filmes que já visualizei) do autor, o que não significa que seja mau, antes pelo contrário! Com esta obra o realizador russo convence-me de que o seu maior "defeito" é não conseguir fazer mau cinema.

Nostalghia é uma divagação da angustiosa saudade do país natal em fusão com a capacidade criativa. Mais uma vez, como acontece em Offret, o autor estende ao longo do crescendo do filme, um caminho todo ele espiritual de forma a levantar os fantasmas do passado, que impulsionaram o protagonista a alcançar a sua redenção final.

Esta senda assombrosa mas previsível, faz com que o filme atinja um estado de transe, o que me leva a crer que Nostalghia é sem sombra de dúvida a obra mais "elegante" do autor. Ao invés de acompanharmos emotivamente todo o dissecar do poderoso objecto em estudo (a humanidade) lentamente e despreocudamente deixa-mo-nos embalar pelos laivos suspiros da morte. Mesmo após um glorioso e trágico final, em que a luz se sobrepõe ao cataclismo real, nós não queremos deixar este mundo, esta jornada.

O apaixonante elemento hipnótico do filme é também a sua grande falha, ao denotar um certo pretenciosismo por parte do autor e por vezes uma faceta auto-indulgente. Tarkovskiy parece-me em certos momentos incapaz de dar um novo fôlego a esta sua saga, e por vezes as cenas revelam-se longas de mais de forma a não interromper abruptamente a transe imposta, o autor conseguia mais.

publicado por Diogo às 16:14
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Sábado, 8 de Janeiro de 2011

Au Hasard Balthazar (1966) Robert Bresson

Esta é unicamente a minha segunda obra de Bresson, e o que é que eu posso dizer? O autor francês conseguiu encontrar num burro o seu actor perfeito.

A tão reconhecida distância emocional com que o realizador insiste existir nos seus actores é abordada desta vez de uma forma pouco ortodoxa, mas muito eficaz! De facto o verdadeiro "segredo" de autores como Ozu ou o próprio Bresson está na forma como estes contrariam a génese de uma personagem. Um actor dá-se normalmente a conhecer ao público, Bresson contraria o suposto e fecha os seus intérpretes de forma a fazer com que o público nutra algo mais que o normal sentimento necessário para o envolvimento para com a trama,  algo que o obrigue a alcançar a essência da acção e do comportamento da personagem.

Com o burro Balthazar o brilhante autor francês desenha dois filmes: uma perfeita alegoria do desgaste físico e mental humano devido as sucessivas placagens deferidas pelo mundo; e a história sobre um burro, animal conformado como tantos outros, que jamais manifesta as suas emoções, independetemente das acções do exterior. O autor varia entre estas duas grandes narrativas sem nunca perder o fio à meada. O vulgar burro de carga que se mantem distante da crescente acção que o rodeia, num abrir e fechar de olhos revoluciona-se como La Fontainte e começa a resolver contas matemáticas para o delírio do público, personificando os 15 minutos de fama que o homem tanto almeja.

Um pequeno grande (enorme) filme, que de alguma inapalpável forma me abriu as portas do verdadeiro talento que reside na cinematografia do autor francês.

A visualização de uma nova obra de Bresson estará para breve...

publicado por Diogo às 22:05
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Quinta-feira, 6 de Janeiro de 2011

Trash Humpers (2009) Harmony Korine

Partam do princípio de que Trash Humpers não é um "filme", mas sim uma "simulação". O espectador tem de seguir os passos aconselhados pelo realizador antes do visionamento da obra. É preferível eu falar por Korine quanto às "indicações" prévias: Imaginem-se num local digamos... hostil por onde vocês já passaram mais que uma vez. Encontram o que parece ser uma cassete de vhs com aspecto de que não foi esquecida, simplesmente faz parte desse local, e sem qualquer tipo de identificação; por curiosidade levam-na para casa, porque vocês tem um leito de vhs. Sem qualquer tipo de expectativa, só mesmo por curiosidade, colocam a cassete dentro do leitor para ver se esta contem algo. Agora concentrem este prólogo como se tivesse sido de facto realidade...já está? Se sim já podem ver o filme.

Korine volta de novo ao mundo de uma surreal, mas verossímil realidade retratada parcialmente em Gummo.

Trash Humpers, é uma interessante experiência cinematográfica que acompanha um trio mascarado de velhotes que ocupam os seus tempos a vaguear, destruir, cantarolar e sobretudo a "acasalar" com todo o tipo de objectos que surgem (daí o nome da obra).

Um filme de curta de duração, com uma narrativa não linear e sem uma linha de acção concreta. Desta vez Harmony Korine leva ao extremo a sua poesia figurativa descomprometida da justificação, e não o faz mal. Filmado em 8 milímetros, segurada à mão, a câmara deambulante torna este mundo criado por Korine credível; as próprias falhas da cassete ajudam-nos a acreditar que de facto alguém filmou por acaso estes momentos e de algum esta obra veio ter às vossas mãos.

Na minha opinião com a sua última obra, Harmony Korine consegue expor melhor este seu imaginário, que transposto para o nosso mundo repleto de maldades inimagináveis não soa de todo a desencaixado, melhor do que em Gummo. Mas esta obra contém uma grande falha...exige de mais do espectador. De certa forma é nos pedido um prévio "trabalho de casa" de forma a sentir com a maior intensidade o seu conteúdo, mostrando que só por si Trash Humpers não consegue de todo enquadrar-se em qualquer tipo de interpretação ou justificação plausível.

Fico feliz que esta obra exista, mas é proibidio ao autor americano, voltar a repetir a experiência. Não é necessário haver duas Torres "Eiffeis".

publicado por Diogo às 17:10
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

.Fevereiro 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.posts recentes

. Possession (1981) Andrze...

. Rosemary's Baby (1968) Ro...

. Il Gattopardo (1963) Luch...

. L'Avventura (1960) Miche...

. Du Levande (2007) Roy And...

. Onde Jaz o Teu Sorriso? (...

. La Strada (1954) Federico...

. Nostalghia (1983) Andrey ...

. Au Hasard Balthazar (1966...

. Trash Humpers (2009) Harm...

.links

.arquivos

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010