Quinta-feira, 15 de Julho de 2010

Ran (1985) Akira Kurosawa

Num dia de caça com os seus filhos e alguns dos seus aliados, Hidetora (Tatsuya Nakadai) faz uma surpreendente anunciação, ele irá dividir todo o seu reino e os seus três castelos por entre os seus três filhos. Já com uma idade considerável, o Lord que já atingiu toda a sua potencialidade ao conquistar tudo que o rodeava e ao estabelecer a paz decide que este é o seu momento para descansar, entregando assim a Toru, seu filho mais velho, o cargo de senhor de todas as terras.

Soomente o seu filho mais novo, Saburo (Daisuke Ryu), expõe a sua opinião dizendo que esta divisão fará com que eles os três se debatam pelo conquista do poder instalando assim a guerra no seio de uma família e também pelas suas terras onde a sedenta ambição comanda. À medida que Ran se vai desenrolando nós gradualmente comprovamos que Saburo estava correcto.

Kurosawa explora a motivação de todas as personagens sem se esquecer de analisa-las, os protagonista são nos dados a conhecer de modo a que as forças que os movem nos sejam palpáveis, aumentando o caractér épico e dramático das "explosões" que este filme toma.

Um ponto inesquecível nesta grandiosa obra é a surpreendente caracterização dos seus intérpretes, a forma detalhada como o autor e a sua equipa apresentam uma época, cria de facto uma realidade dificil de acreditar que seja encenada; aliada à humanidade de samurai vincada, e mesmo vivida pelos actores este filme parece por e simplesmente um gomo do passado de tão realista que se torna.

O filme toma uma dinâmica pausada para livremente deixar os seus componentes crescer, tudo que nós temos de conhecer é minuciosamente nos apresentado e todos os elementos com o passar da obra se revelam cada vez mais indispensáveis, o colidir épico não consegue tirar de nenhuma maneira todo o brilho às cenas que o antecedem. 

A caracterização, a vagarosa e detalhada maneira como as personagens são exposta a interiorizarão de uma outra época são os ingredientes que fazem de Ran sem dúvida uma das maiores obras épicas de sempre. Um quadro perfeito impossivel de explicar já que a ficção se torna tão perfeitamente em realidade.

Akira Kurosawa conhece bem de mais o passado do seu país

publicado por Diogo às 02:48
link do post | comentar | favorito

.Fevereiro 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.posts recentes

. Possession (1981) Andrze...

. Rosemary's Baby (1968) Ro...

. Il Gattopardo (1963) Luch...

. L'Avventura (1960) Miche...

. Du Levande (2007) Roy And...

. Onde Jaz o Teu Sorriso? (...

. La Strada (1954) Federico...

. Nostalghia (1983) Andrey ...

. Au Hasard Balthazar (1966...

. Trash Humpers (2009) Harm...

.links

.arquivos

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010