Segunda-feira, 30 de Agosto de 2010

Splice (2010) Vincenzo Natali


Clive (Adrien Brody) e Elsa (Sarah Polley) um talentoso casal de engenheiros genéticos, especializados em fundir ADN de diferentes animais e assim criar novos seres. Só que o casal decide juntar ADN humano nessa mixórdia e assim criar um espécime que revolucionara o mundo da ciência. O projecto rapidamente se torna ilegal devido ao impedimento da companhia, o jovem casal não baixa os braços e inicia as experiências em total segredo; o resultado é Dren, que ultrapassa todas as expectativas. Primeiramente Dren não passa de uma nova espécie selvagem, só que gradualmente a sua inteligência vai aumentando e a assimilar-se com a de um humano.

O canadiano Vincenzo Natali (auto do célebre "Cubo") embarca num típico projecto de terror frankensteinesco com o intuito de o inovar. À partida Splice é uma obra bastante promissora e no seu início não nos deixa ficar mal. O que parecia ser uma complexa história em potência onde a ambição cientifica e os fantasma do passado comandam o terrível fado, revela-se uma construção sem base coerente.Os problemas de maternidade, o estranho e por vezes perverso fascínio por Dren que aos poucos se vai assemelhando a uma mulher não passam de simples macacadas que apimentam o último e grande choque que o filme tem para dar. O filme não é assim tão superficial mas aparenta-o, apercebi-me de que a exploração de Natali residia nos instintos animais que habitavam no interior de uma Dren já humana, uma experiência que se revela em certo ponto estável, mas que não o é...a educação de Dren tanto pode ser assemelhada ao de uma criança como o de uma cria logo o filme tem uma forma bipartida de se apresentar e para o espectador Dren vai se definindo como racional ou irracional, nunca um mix das duas.

Infelizmente Natali suavizou o seu estudo e simplesmente nos apresentou fáceis momentos fofos do crescimento deste espécime, deu-nos tempo que chegasse e sobrasse para o estranho ser cair nas nossas graças; com um timing perfeito o dócil é sobreposto pelo imoral e o choque é distribuído com impacto.

A bipolaridade de Splice condena-o, o que parecia ser uma experiência intrínseca aliada a dramas como a maternidade revela-se uma simples experiência visual muito ao género de Cronenberg, só que esta indefinição não deixa nenhuma das duas opções brilhar o que podia. Ainda assim não se pode tirar valor à sagacidade com que algumas cenas são feitas ou ao brilhante trabalho visual do filme. 

Resumindo: um desaproveitamento e um filme com pouco charme, nas mãos de outro autor esta obra conseguiria atingir outros patamares.

publicado por Diogo às 01:59
link do post | comentar | favorito
2 comentários:
De Nekas a 31 de Agosto de 2010 às 09:36
Estou com algumas expectativas em relação a este filme.


Abraço
Cinema as my World (http://www.nekascw.blogspot.com/)
De Diogo a 4 de Setembro de 2010 às 17:52
Também eu estava, mas não é algo que te recomende. Se queres ver obras do género vê Cronenberg ou os primeiros projectos do del Toro.

Comentar post

.Fevereiro 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.posts recentes

. Possession (1981) Andrze...

. Rosemary's Baby (1968) Ro...

. Il Gattopardo (1963) Luch...

. L'Avventura (1960) Miche...

. Du Levande (2007) Roy And...

. Onde Jaz o Teu Sorriso? (...

. La Strada (1954) Federico...

. Nostalghia (1983) Andrey ...

. Au Hasard Balthazar (1966...

. Trash Humpers (2009) Harm...

.links

.arquivos

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010