Sexta-feira, 17 de Setembro de 2010

Oddsac (2010) Danny Perez

Oddsac é o album visual da autoria de Danny Perez alusivo à obra de uma das maiores bandas de culto contemporâneas : os Animal Collective.

Antes de mais nada queria discordar com o estatuto da obra; a música cria em nós sensações e a sua interpretação e concepção de ambientes está sempre ao critério do ouvinte, com este filme estamos a assistir à ideologia de um dos ouvintes que muito provavelmente diverge da nossa, é por e simplesmente uma produção experimental com o trabalho de uma banda como motor de fundo harmonioso e preponderante.

O filme foi ao encontro das minhas expectativas e posso afirmar que saí da sessão bem satisfeito. Apesar de ter ritmo e cooperação visual, Oddsac nem sempre consegue manter o mesmo fulgor e apesar de eu ter visto o filme de uma forma diferente (usei uma mascara para me sentir completamente isolado e entrar nesta viagem sensacionista) as minhas por vezes chamadas picuinhices vieram ao de cima, espremi o que tinha a espremer e felizmente que nunca achei que o filme pudesse ser uma obra-prima, por conseguinte não me defraudou.

Entrando no campo das "particularidades" - prefiro antes começar pelos pontos esteios deste filme:

- uma cena inicial com um poder desmedido, inteiramente coordenado, mágico e mítico, um daqueles ditos momentos que após passado a única coisa a afirmar é: "perfeito, sem nada a mudar"; num vocabulo "gíriano", um "estouro"!

- a efusiva cena inicial segue-se de uma quebra de explosão que ainda assim não deixa a intensidade descair, evidenciando tanto a versatilidade da banda como a "ilustrção alegórica" do criador.

- a cena dos girinos como eu lhe chamo (cena onde um "vortex" aparece e desaparece num emaranhado de células da vida) é para mim o grande ponto do filme, a absorção completa.

É ridiculo estar a fazer uma crítica por tópicos; os maus pontos corriam pela inglória cena final que desmitifica o índio mocho (coordenador da primeira cena), usar por mais que uma vez a ferramenta susto em cenas aparentemente inofensivas e por aí fora (como vêm eu espremi o filme e não é por alto que consigo transmitir o meu não total amor por esta obra sólida)

desculpem a minha inconstância, é a primeira vez que crítico um "álbum visual".

Não é um Stan Brakhage, mas ainda assim Oddsac,  com algumas falhas e dissonâncias consegue-nos levar para o mundo da banda, mesmo não sendo essa a nossa idealização do mundo rítmico involuntariamente entramos na dimensão criada pelos seus "deuses"; é de evidenciar que a obra  cumpre a sua missão.

publicado por Diogo às 02:27
link do post | comentar | favorito

.Fevereiro 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.posts recentes

. Possession (1981) Andrze...

. Rosemary's Baby (1968) Ro...

. Il Gattopardo (1963) Luch...

. L'Avventura (1960) Miche...

. Du Levande (2007) Roy And...

. Onde Jaz o Teu Sorriso? (...

. La Strada (1954) Federico...

. Nostalghia (1983) Andrey ...

. Au Hasard Balthazar (1966...

. Trash Humpers (2009) Harm...

.links

.arquivos

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010