Quinta-feira, 17 de Junho de 2010

The Big Lebowski (1998) Joel Coen

Considero O Grande Lebowski, como aquele género de filmes que sucede (falhando) uma obra de muita maior qualidade por parte do meus autor(es), neste caso isso acontece com Fargo (1996).

O Grande Lebowski, é um pseudo thriller virado quando pode para a exposição de problemas sociais e morais. 

A minha última frase está incompleta já que o filme faz questão de ser pseudo e de aparentar tal, por isso é que a falta de genuinidade, é a meu ver um dos grandes "handicaps" do filme. A obra desenrola-se (ás vezes metendo piada) entre cenas sem sentido, personagens singulares e uma linha de história que se perde no absurdo... tudo propositado tudo à imagem dos realizadores e do seu estado de espirito que se fundem na personagem de Jeff Bridges - The Dude; dando ao filme um cunho pessoal. 

O absurdo camufla-se por entre o pacato, já que tudo neste filme é por e simplesmente "vulgar". Não se pode dizer que seja um policial, mas a obra monta-se usando as regras deste género: narrador em voice off, raptos, desaparecimento de dinheiro, cabecilhas com poder e brutos capangas, mulheres sedutoras, figuras ilustres da sociedade com motivos obscuros e voltas e trocas na diagése da história (os chamados twists nos thrillers). 

O filme está recheado de cenas de puro entretenimento, mas sem carregar qualquer tipo de comentário no seu interior, resultando num trabalho em que as piadas momentâneas desaparecem quase de imediato à cena sem deixar qualquer tipo de ressonância. As cenas parece que abandonam o filme quando são fechadas isto tudo devido à insistência em fazer do filme um objecto sem importância nenhuma.

Não achei piada nenhuma a Walter (John Goodman, umas das almas do filme), um dos compinchas de bowling do The Dude, que aleatoriamente ia introduzindo as suas manias no contexto de cada cena (manias: Guerra do Vietname e a sua ex-mulher); personagem que muito disfarçadamente também só servia para atiçar (e apagar) a piada momentânea das cenas que lhe competia - usei Walter como um exemplo global, todas as personagens por mais indispensáveis que pareçam não passam de maquilhagem (menos The Dude que foge à regra).

Resumindo, os Coen quiseram fazer um filme despreocupado e demonstrar ao público que de facto o era, para isso fizeram de The Dude (um nome que sintetiza toda a aura e posição que o filme toca) a sua persona, o seu interveniente para dar rumo a esta despreocupação amontoada; a história por si é um acessório e as personagens são condimentos momentâneos.

Percebo porque é que este filme já é de culto, e não me parece um amor sem nexo, pena é não me ter enchido o olho, pena também eu ter levado a despreocupação à letra e não ter conseguido encontrar charme em nada do que visse.  

 

Não achei piada nenhuma à morte despropositada de Steve Buscemi.

publicado por Diogo às 14:25
link do post | comentar | favorito

.Fevereiro 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.posts recentes

. Possession (1981) Andrze...

. Rosemary's Baby (1968) Ro...

. Il Gattopardo (1963) Luch...

. L'Avventura (1960) Miche...

. Du Levande (2007) Roy And...

. Onde Jaz o Teu Sorriso? (...

. La Strada (1954) Federico...

. Nostalghia (1983) Andrey ...

. Au Hasard Balthazar (1966...

. Trash Humpers (2009) Harm...

.links

.arquivos

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010