Sexta-feira, 25 de Junho de 2010

Stranger than Paradise (1984) Jim Jarmusch

(Voltando ao Ciclo planeado para este mês)

Stranger than Paradise é uma das primeiras obras de Jarmusch e provavelmente a que mais o notabilizou como um peso pesado do cinema independente americano.

O filme plana todo num ambiente perfumado a independência e esta obra é considerada um marco histórico no cinema de baixo orçamento.

A história está dividida em três actos e consiste simplesmente na ida de dois amigo a Cleveland visitar a prima de um deles. Propositadamente minimalista o enredo é só uma forma de justificar as cenas e o seu propósito, já que ocultamente o grande objectivo do filme é mesmo só brincar com a intensidade de ambientes e com a forma como estes contagiam o público, transmitindo uma aparente realidade palpável e reconhecivel.

Cada cena é filmada num só take de um só ângulo e a separação destas mesmas é feita por "fade ins" e "fade outs".

Eu sinceramente sinto-me um tanto burro ou deslocado por ser a única pessoa no mundo que desvaloriza a suposta obra-prima de Jarmusch. Encontrei críticas que chegavam mesmo a elevar a obra a um patamar histórico; agora eu achei o filme uma autêntica brincadeira e sem a mínima dúvida que Stranger than Paradise é até hoje um dos filmes que mais me faz acreditar que a arte é de facto muito relativa.

O filme não deslarga aquele ar estudantil forçado; as interpretações são de rir: John Lurie é um badass com classe (ao menos tenta) que nunca para de mastigar broa (é o que aparenta) e Eszter Balint é ridícula e completamente irritante, um diálogo entre os dois protagonista que ocorre à porta do apartamento fez me rir muito (consegui decorar o diálogo e tudo), quase que parecia propositado, tudo tão mal dito tudo tão mal encaixado tudo tudo falso!

Pronto a ideia da câmara estática e tudo num só take com os fades a recolocar as cenas tem a sua piada, mas por amor de Deus! Todo o filme!? as cenas desrespeitam-se umas a seguir ás outras consecutivamente, Jarmusch encorna as cenas.

E pouco me importa que seja tudo parte da experiência visual inovadora; Jarmusch conseguiu simplesmente retratar o enfadonho de uma maneira enfadonha e fazer tudo isso parecer algo extremamente "cool" e sedutor. É uma piada, é mesmo uma piada as pessoas dizerem que Jarmusch apenas colocou uma janela e que tudo que nós vemos é a poesia da realidade, tudo parece tão natural e vivo (!?) (é uma encenação com um propósito óbvio!)

Tudo parece falso, tudo parece ter um rumo, nada parece minimalista pois o seu objectivo é claramente transcendental à história, vê-se a quilómetros que o fluxo de história é guardado na gaveta (propositadamente).

Stranger than Paradise tem o seu valor e é o suor de alguém que tentou fazer algo novo com o que pôde, a isso tiro o chapéu, mas só a isso!

O filme está manchado de cenas que apetece meter o dedo na boca e revirar os olhos, cenas como a adolescente húngara a dançar com um cigarro na mão, cambaleando ao som da música (mas que cuel/cool!).

Mesmo assim esta obra não é um total desperdício de tempo, e é sem dúvida um bom tema de discussão, já que conseguiu hipnotizar meio mundo de cinéfilos menos a mim.

Concluindo: Um filme a rever e a mastigar

publicado por Diogo às 00:38
link do post | comentar | favorito
2 comentários:
De João a 24 de Agosto de 2010 às 15:18
Aproveito para comentar aqui :)

"E pouco me importa que seja tudo parte da experiência visual inovadora; Jarmusch conseguiu simplesmente retratar o enfadonho de uma maneira enfadonha e fazer tudo isso parecer algo extremamente "cool" e sedutor."

Tens aqui mais um com a mesma opinião. E eu gosto de muito filmes do Jarmusch. Este não, e é mesmo das maiores secas que alguma vez apanhei a ver um filme. Não tem nada por onde se lhe pegue.

Abraço e parabéns pelo blog!
De Diogo a 24 de Agosto de 2010 às 16:05
muito obrigado pelo comentário, estava a ver que era o único que achava o stranger than paradise mau haha

Comentar post

.Fevereiro 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.posts recentes

. Possession (1981) Andrze...

. Rosemary's Baby (1968) Ro...

. Il Gattopardo (1963) Luch...

. L'Avventura (1960) Miche...

. Du Levande (2007) Roy And...

. Onde Jaz o Teu Sorriso? (...

. La Strada (1954) Federico...

. Nostalghia (1983) Andrey ...

. Au Hasard Balthazar (1966...

. Trash Humpers (2009) Harm...

.links

.arquivos

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010