Sábado, 5 de Junho de 2010

Days of Being Wild/A Fei Zheng Chuan (1990) Wong Kar-Wai

Days of Being Wild é a segunda longa-metragem realizada por Wong Kar-Wai. Distinta da sua primeira obra (As Tears Go By) conseguimos em Days of Being Wild denotar o começo do estudo do tempo por parte do realizador, tema que será desenvolvido nas futuras obras que se seguirão.

Yudi/York (Leslie Cheung), é um playboy sem rumo que brinca despreocupadamente com as amantes que vai coleccionando ao longo do tempo. Kar-Wai dá-nos a oportunidade de conhecer duas das vitimas dos jogos de York, elas são Li Zhen (Maggie Cheung) uma tímida e insegura empregada de balcão e uma submissa e fugosa dançarina de cabaret (Carina Lau) cujo nome fica sempre na incógnita. Durante toda a sua vida, York sentiu-se incompleto e acusa sua madrasta de lhe estar a tirar identidade por esta nunca revelar o nome da sua verdadeira mãe. Sem propósito ou rumo, York faz dessa curiosidade, dessa suposta parcela da sua identidade o único objecto concreto pelo qual luta. Ao saber o nome da mãe, York parte para as Filipinas à procura do seu rumo, à procuro do seu objecto para por ele ser destruído.

Days of Being Wild marca o ínicio de uma nova era no cinema chinês e define-se como o verdadeiro primeiro filme de Kar-Wai. A fotografia é imaculável (primeiro filme com Christopher Doyle); distaciando-se do tipo de cinematografia de "As Tears Go By", nesta obra conseguimos já sentir, devido à clausura e ao constante fumo que rodeia por entre personagens, que os actores de Kar-Wai são mais que meras silhuetas, são também paredes, tecto, chão, todo o ambiente é personificado e fala connosco na forma de uma fusão de elementos perfeita. 

Os diálogos secos mas deliciosos entoam como de costume pela boca do amante, a beleza feminina e impar contesta essas palavras num campo de obstáculos que é o tempo. 

Este filme é um testamento, é o inicio de Kar-Wai como Kar-Wai e a concepção futura de um género de filme singular. Contrariando o tempo e quase que fazendo papel de adivinho, Kar-Wai choca-nos com uma cena misteriosa e enigmática que sintetiza como será o seu futuro.. após o desfecho final e depois da poeira assentar, Tony Leung (o rosto masculino do cinema de Kar-Wai) que não entra durante todo o filme, aparece-nos dentro de um quarto a executar uma série de movimentos precisos com subtileza (estava a arranjar-se); esta cena transcende-me, é irreal como é que Kar-Wai iludiu o tempo e desvendou-o na nossa cara, Leung é um testamento uma amostra do que está para vir, um futuro que ultrapassa sem dúvida o presente dos dias selvagens.


publicado por Diogo às 13:12
link do post | comentar | favorito

.Fevereiro 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.posts recentes

. Possession (1981) Andrze...

. Rosemary's Baby (1968) Ro...

. Il Gattopardo (1963) Luch...

. L'Avventura (1960) Miche...

. Du Levande (2007) Roy And...

. Onde Jaz o Teu Sorriso? (...

. La Strada (1954) Federico...

. Nostalghia (1983) Andrey ...

. Au Hasard Balthazar (1966...

. Trash Humpers (2009) Harm...

.links

.arquivos

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010